“Uma Copa e nada mais”: Uruguai 1930: Guillermo Subiabre

Começamos esta série de textos que é direcionada para jogadores que atuaram bem por suas respectivas seleções, mas que não atuaram em uma final de Copa do Mundo. Nesse primeiro texto, falaremos do atacante chileno Guillermo Subiabre, que fez quatro gols em três partidas na Copa de 1930, disputada no Uruguai.

Começa agora a série “Uma Copa e nada mais”.  Aproveitem.

Muitas pessoas consideram Subiabre o principal atacante chileno, superando Salas e Zamorano (Crédito da foto: site oficial do Colo Colo)

Guillhermo Sbiabre nasceu no dia 25 de Fevereiro de 1905, e desde garoto demonstrava ser excelente atacante.

Baixinho, e de boa finalização, logo ganhou o apelido de “Chato”, devido ao fato de sempre estar na hora certa, no momento certo.

Havia atuado bem pela seleção chilena antes da Copa de 1930, por isso garantiu sua titularidade na equipe comandada pelo húngaro György Orth, técnico que teve passagem destacada na Hungria que ainda não era de Puskás, e que assumiu a seleção chilena para o maior desafio de sua história até então.

A Copa de 1930 começa para os chilenos, em uma partida contra o México, no estádio Parque Central (No site oficial da FIFA indica que o público foi de 500 pagantes, mas outras fontes colocam como 7 mil pessoas o público do jogo).

No jogo, uma vitória maiúscula por 3 a 0, com dois gols de Subiabre. Com isso aumentariam as expectativas para o 2ºjogo, contra a França, uma das poucas seleções européias que participaram da Copa de 1930 – somente ela, a Iugoslávia, a Romênia e a Bélgica aceitaram atravessar o Atlântico rumo a Montevidéu -, pois os franceses perderam para a Argentina por 1 a 0 na estréia, e teriam que se recuperar.

Pois bem, 2ªrodada contra os franceses, dois mil pagantes (dados FIFA) e 48 mil não-pagantes viram o Chile vencer a França no Estádio Centenário por 1 a 0, gol de Subiabre. Era tudo que os argentinos não queriam que acontecesse.

Iriam decidir a vaga na semifinal, após duas vitórias complicadas (no jogo contra os mexicanos, foi 6 a 3, mas só pelo fato de terem conseguido tomar três gols dos mexicanos, era alvo de precocupação) e ainda por cima, enfrentarem uma equipe que vinha com um atacante como Subiabre em grande fase, e o pior, a dupla Stábile-Peucelle ainda não estava em plena sintonia.

Um empate ainda faria com que houvesse um jogo extra, pois ambas as equipes tinham quatro pontos, e o saldo de gols era o mesmo: quatro.  Isso fora o fato de ser um clássico entre dois países vizinhos.

No dia do jogo, expectativa dos dois lados: Um dos dois chegaria a semifinal como favorito, pois do outro lado, estariam os norte-americanos, “zebras” em qulaquer confronto contra times sul americanos.

Stábile fez 1 a 0 aos 12 minutos de jogo. Três minutos depois, “Chato” Subiabre mostrava o porque era um atacante que furava a rede com suas finalizações. Jogo empatado no momento, jogo extra também.

Mas Stábile apareceu novamente e fez 2 a 1 aos 39 minutos. O Chile tentava, mas os argentinos não deixavam, e perto do fim, o golpe de misericórdia: Mario Evaristo fez aos 36 minutos do 2ºtempo, o gol que sacramentava a vaga argentina para as semifinais. Era a continuação do sonho argentino que acabaria em tristeza, com a vitória para os donos da casa na final. Ali, no Estádio Centenário, acabava o objetivo chileno de chegar a uma semifinal.

Mas ao menos, ficou um gostinho de que “Sim! Podemos chegar lá!” E assim aconteceu. 32 anos depois, mas aconteceu. Subiabre teve tempo de ver o seu país em uma semifinal de Copa, em 1962, quando perderam para o Brasil de Garrincha. Morreu dois anos depois. Mas seu legado continua eterno, tanto para os torcedores do Colo Colo mas, principalmente, para o futebol chileno como um todo.

Arte do Futebol. Um blog futebolisticamente artístico.
Próximo texto: Irei pensar aqui, se devo colocar um texto novo antes de quarta.
O próximo da série “Uma Copa e nada mais” será escrito na quarta-feira. O jogador? Oldřich Nejedlý, da Tchecosolváquia. A Copa do Mundo: 1934, na Itália.

Anúncios

2 comentários sobre ““Uma Copa e nada mais”: Uruguai 1930: Guillermo Subiabre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s